Seniores querem (e precisam de) informação!

18 Outubro, 2017

DECO Forma informou cerca de 700 Consumidores Seniores sobre os seus Direitos

Na semana de 25 a 29 de setembro, realizámos 24 Workshops DECO (IN)Forma por todo país, com o tema Os Direitos dos Consumidores Seniores, dirigido a cerca de 700 consumidores seniores.

A DECO dedica, mais uma vez, uma semana a esta população, sabendo que estes consumidores precisam de se manter constantemente informados acerca das práticas agressivas que surgem diariamente no mercado, como se podem defender das mesmas, e quais os direitos que lhes assistem na hora de comprar. A ajuda dos nossos parceiros foi essencial para impulsionar esta iniciativa e contámos, entre outros, com a Fundação Eugénio de Almeida, com a Câmara Municipal de Lagoa, com a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e Santarém; com inúmeras Juntas de Freguesia, Centros de Dia, e Centros Paroquiais.

A população sénior que assistiu a este workshop ficou com conhecimentos mais alargados acerca das práticas comerciais desleais que oferecem brindes, viagens, exames médicos, e argumentos emocionalmente apelativos, também conhecidos como presentes “envenenados” para aliciar à compra de produtos e serviços que não precisam e, às vezes, “bons demais para ser verdade”.

Nestas sessões conhecemos situações bem reais para a audiência e contámos com uma participação muito ativa dos seniores que partilharam histórias às quais já tiveram sujeitos, como as resolveram, e até aquelas que ainda têm por resolver, e percebemos que as práticas atualmente mais populares são:

1. Comercialização porta-à-porta de Contratos de Energia

Argumentos como a necessidade de mudança de comercializador, a existência do mercado livre e mesmos abordagens enganadoras como “Se não mudar de empresa vai ficar sem luz” ou “Eu sou da Empresa (X) [quando não é] e só tem de assinar este papel e vai pagar menos”;

2. Vendas e alterações de tarifário

Induzem os consumidores seniores a alterarem para tarifários pós-pagos em que recebem faturas em casa para pagamento do Serviço, e ainda alteração para pacotes onde ficam com acesso à internet quando “eu nem sei o que é a Internet”;

3. Soluções milagrosas porta-à-porta

O comercial identifica os problemas de saúde do consumidor e aproveita-se dessa situação para lhe vender “Produtos milagrosos que vão solucionar o seu problema – por exemplo, este cadeirão que é ótimo para quem dores de costas”;

4. Vendas em Excursões

Viagens claramente mais baratas porque incluem no seu programa demonstrações de produtos, onde os seniores são forçados a assistir e a comprar produtos que não têm necessidade “Trouxe um aspirador que nem preciso!”.

Mas acima de tudo, os nossos técnicos perceberam que este tipo de ações nunca são demais, e por isso temos de nos manter como voz ativa do consumidor sénior, para o proteger tanto de forma preventiva como resolutiva.